Quando a dieta está errada não existe remédio.

 

Quando a dieta está certa não há necessidade de remédios.   
Provérbio Ayurvédico 
 
” Você é o que você come” – uma frase comumente
usada em yoga , tem um significado poderoso. No yoga acredita-se que os
alimentos não só influenciam o seu corpo no sentido físico, mas também é
conhecido por influenciar diretamente as emoções e sentimentos. Isso pode
induzir a felicidade ou raiva , contentamento ou inquietação , pensamentos do
sagrado ou profano. A qualidade do alimento que você come, literalmente, cria
seu estado de espírito e emoções. Os ensinamentos de yoga defendem uma dieta
vegetariana , com especial ênfase em alimentos que trazem paz para o corpo ,
mente e espírito .
O yoga da cozinha, ou como nos alimentamos é um dos aspectos
importantes e fundamentais para a nossa a prática e evolução.
O Yoga  basea-se na
idéia de que os alimentos devem ser consumidos em suas formas mais naturais , a
fim de realizar os seus verdadeiros benefícios . A crença do yoga é que
diversos problemas de saúde podem ser atribuídos a nutrição deficiente, má
alimentação e dificuldade de digestão.  Afim
de se permanecer saudável e feliz , os alimentos devem ser digeridos de forma
fácil.  Uma dieta vegetariana garante
todas as faculdades de digestão sem problemas de absorção , assimilação e
eliminação . A dieta também contém grandes quantidades de fibras e
antioxidantes . Os alimentos devem ajuda a manter um corpo forte e saudável,
uma mente livre de estresse , e uma espiritualidade positiva em nosso estilo de
vida complexo. Os benefícios de uma dieta bem balanceada vegetariana pode ser
poderosa.
No yoga e ayurveda (Medicina tradicional indiana) os
alimentos são classificados em três tipos :
Alimentos sáttvicos:
são aqueles que purificam o corpo e acalmam a mente. Trazem energia e
vitalidade. Estes tipos de alimentos são puros, leves , perfumados, ativam os
centros superiores de energia (chakras), conduzem a pureza do ser, ao
equilíbrio da mente, a disposição, a boa vontade, aguçam o discernimento e uma
mente tranquila e livre de desejos. Eles preparam o desenvolvimento espiritual
do homem, geram luz e vitalidade. Auxiliam e preparam a mente e corpo para a
meditação. Entre os alimentos sáttvicos estão: todas as frutas, verduras,
legumes, raízes, cereais integrais, feijões germinados, grãos, sementes,
castanhas, mel, sucos naturais e frescos, agua pura, óleos prensados a frio e
alimentos crus.
Alimentos tamásicos:  são aqueles que entorpecem a mente e trazem
inércia , confusão e desorientação. Os alimentos tamásicos são alimentos sem
vida, sem energia vital ou prana. Eles causam no corpo um estado de apatia,
desanimo, depressão, doença física e mental. Estes alimentos nos roubam o
prana, ou energia vital, quando digeridos. Este tipo de alimento é pesado e
ativa as forças densas do corpo e da mente, levando o homem ao embrutecimento,
causando sofrimento tanto para si quanto para outras formas de vida. Os
alimentos tamásicos(obscuros e densos) são opostos aos alimentos sáttvicos
(puros e luminosos). Dentre os alimentos tamásicos estão: os alimentos
processados quimicamente, industrializados, enlatados, refinados, empacotados,
embutidos (salsicha, salame, presunto, etc.), bebidas alcoólicas e drogas, pão
branco, refrigerantes, conservas e enlatados, alimentos velhos, fast-food,
cigarros, doces artificiais, bolachas e biscoitos.
Alimentos rajásicos:
são alimentos que geram agitação no corpo e na mente; geram paixões e ativam
muito o ânimo. São estimulantes do sistema nervoso e mobilizam ação constante,
trazendo inquietação e ansiedade. São alimentos que geram muita ativação dos
centros energéticos (chakras inferiores), não recomendados para quem deseja
praticar meditação, pois a mente se torna inquieta, agitada e tensa. Dentre os
alimentos rajásicos encontramos: carnes, peixes, ovos, pimentas, cebola, alho, feijões
não germinados, tomate, sal, bebidas alcoólicas fermentadas, café, chá mate,
erva-mate, fumo, queijo, manteiga, alimentos fritos, açúcar, bolos, chocolate,
vegetais que não são da estação.
Diz-se que o estado da mente da pessoa que cozinha e come
também afeta os alimentos. A energia na comida preparada por alguém enquanto
ele / ela estava com raiva será certamente menor do que a de alguém que cozinhou
com um sentimento de amor, contentamento e gratidão. Ouvir uma música suave ou
cantar enquanto  se cozinha e come pode
ajudar a reter o Prana ( energia vital ) no alimento.
Os antigos iogues entendiam que a finalidade básica dos
alimentos era fornecer energia vital para o corpo de modo que seria saudável o
suficiente para passar as práticas de transformação de yoga. Mais importante,
eles descobriram que a própria consciência também era dependente de esta força
vital encontrado em alimentos e da respiração. Essa energia vital, chamada de
“prana “,  é a força
fundamental por trás da prática de yoga como a conhecemos no mundo ocidental .
O segredo da comida e yoga é que quanto mais prana temos
através dos alimentos , mais percebemos os benefícios na saúde e na consciência
de que o yoga oferece .
Então, como conseguir mais prana dos alimentos? Há três
regras simples :
1.
Coma alimentos frescos.
2.
Coma alimentos não processados.
3.
Coma alimentos bem preparados.
Os alimentos frescos contém alta força de vida. Os alimentos
que foram apenas crescendo , recém- colhidos, e da estação,  tem mais prana. Isso certamente nos leva a
consumir a maior quantidade possível de comida local,quanto  mais perto da fonte, melhor. Portanto, alimentos
não processados ​​, possuem a maior quantidade de prana. Isto significa
simplesmente limitar a quantidade de qualquer alimento empacotado.
Finalmente, os alimentos que são bem preparados irão conter
a maior quantidade de força vital ou prana. A compreensão de como preparar sua
própria comida , bem como alimento para os outros para desfrutar faz parte do
estilo de vida de yogui original.
Dicas e sugestões para uma boa saúde:
1.
Troque os grãos brancos e processados pelos
integrais
2.
Diminua ou elimine por completo a ingestão de
carnes e aumente e insira a ingestão de proteínas vegetais na sua alimentação
tais como: feijões, grãos, castanhas e cereais.
3.
Substitua o açúcar branco, por mel, melado ou açúcar
mascavo.
4.
Substitua o sal refinado pelo sal marinho.
5.
Troque o café por chás de ervas, (não os enlatados
ou engarrafados).
6.
Troque os refrigerantes por sucos de frutas.
7.
Beba água regularmente. (Prefira água morna e
evite água gelada. A água morna ajuda na digestão e reduz o nível de gordura no
corpo, além de ajudar na eliminação de toxinas).
8.
Não beba líquidos nas refeições sólidas. O
liquido dilui os sucos gástricos, impedindo a combustão dos alimentos. Beber líquidos
30 minutos antes ou 90 minutos depois.
9.
Evite comer quando se sentir muito cansado, mal
humorado, ansioso ou com emoções muito fortes.
10.
O café da manha deve ser leve, de fácil digestão
e que possa estimular o peristaltismo intestinal e limpar o organismo das
toxinas.
11.
O almoço por ser a principal refeição do dia
deve nutrir o corpo com vitaminas, proteínas, vitaminas, sais minerais,
carboidratos e lipídios.
12.
O jantar deve ser leve, de fácil digestão, que não
exija esforços digestivos e que favoreça o sono tranquilo.
Referencias bibliográficas:
– Livros:
* Viver vegetariano, Laura Packer
* A senda do Yoga, Laura Packer
* Vegetarianismo:  Sustentando a vida, Laura Packer
*Lugar de médico é na cozinha, Dr. Alberto
Gonzales
 Para
mais informações :
Documentários:
– Muito além do peso  – http://www.youtube.com/watch?v=sVJKE7kL5cE
– Comida Viva (Globo Repórter)  – http://www.youtube.com/watch?v=vcWDwLLZWAk
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *