Uma pesquisa publicada
da Noruega sugere que um programa de yoga integral rapidamente produz mudanças
internas a nível genético.
Os resultados ajudam a
explicar os benefícios bem documentados de saúde desta prática antiga.
“Estes dados
sugerem que anteriormente relatados efeitos (terapêutico) de práticas de yoga
tem um componente fisiológico integrante no nível molecular, que é iniciada
imediatamente durante a prática”, escreve a equipa de investigação
liderada por Fahri Saatcioglu da Universidade de Oslo. O estudo da equipe está
publicado no jornal online PLoS ONE.
Pesquisadores relataram
pela primeira vez  cinco anos atrás que práticas como a yoga, que
provocam a “resposta de relaxamento” pode ter um efeito de longo
prazo sobre a expressão genética. Esse é o termo científico para saber se um
gene específico é “ligado”, ou seja, sua proteína ou RNA produto está
sendo feito. Este último estudo confirma estas conclusões, os liga ao sistema
imunológico do corpo, e sugere que esse efeito pode ser instantâneo.
A Universidade de Oslo
fez um experimento com  10 participantes
que participaram de um retiro de yoga de uma semana na Alemanha. Nos  dois primeiros dias, os participantes passaram
por  duas horas praticando um programa de
yoga abrangente, incluindo posturas de yoga (asanas), exercícios respiratórios
de yoga (em particular Sudarshan Kriya), e meditação. Nos próximos dois dias,
eles passaram esse mesmo período de tempo fazendo uma hora de caminhada na natureza
e, em seguida, ouviram jazz ou música clássica.
Imediatamente antes e
após cada uma das quatro sessões, os investigadores tiraram sangue de cada participante.
Eles então isoladamente analisaram as células mononucleares do sangue
periférico, as quais desempenham um papel fundamental no sistema imunologico do
corpo. Os pesquisadores descobriram que a caminhada na natureza  e o  relaxamento com música mudou a expressão de 38
genes nessas células imunes circulantes. Em comparação, a ioga produziu
mudanças em 111.
Quatorze genes foram
afetados por ambos os exercícios, o que sugere que “os dois regimes, em
algum grau, afetam processos biológicos semelhantes”, escrevem os
pesquisadores. Dito isto, eles observam que o impacto do yoga era muito mais
generalizado, o que indica que a prática “pode ​​ter efeitos adicionais em
relação aos exercícios físicos mais simples e relaxamento pois induz benefícios
para a saúde através de mudanças diferenciais a nível molecular.”
Então, se o seu tapete
de yoga  está lá juntando poeira, esta
pesquisa fornece um incentivo para tirá-lo do armário. Sugere-se que, na medida
em que o sistema imunológico está em perigo, andar na natureza é bom mas o yoga
pode ser substancialmente melhor.
Texto traduzido do link:
 http://www.yoganonymous.com/newly-published-research-genetic-evidence-of-yogas-impact-on-the-immune-system/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *